Páginas

domingo, 26 de agosto de 2007

Madeleine Vionnet (1876-1975)

A francesa Madeleine Vionnet é considerada uma das grandes estilistas de todos os tempos. Ela criava seus modelos em miniaturas de bonecas e só depois de alcançado o resultado passava para a escala humana. Aparentemente, suas roupas tinham linhas simples, mas por trás de seus modelos existiam grandes estudos de corte e drapeados. Considerada a rainha do corte enviesado, Vionnet encomendava seus tecidos com quase dois metros a mais para poder esculpir seus drapeados. De certa forma, a estilista redescobriu o corpo feminino, livrando as mulheres do espartilho e dando conforto e movimento através da forma e do corte de suas roupas. Sua trajetória na moda começou aos doze anos de idade, como aprendiz de costureira nos subúrbios de Paris. Depois, em 1897, foi trabalhar em Londres com Kate O’Reilly. Em 1901, retornou a Paris e foi contratada para a casa Callot Soeurs. Em 1907, ela ingressou na Doucet, onde permaneceu por cinco anos. Finalmente, em 1912, a francesa abriu sua própria maison. As atrizes Marlene Dietrich e Katherine Hepburn usavam suas roupas. Vionnet utilizava o crepe da china, a gabardina e o cetim para a confecção de seus modelos, tecidos que não eram comuns na moda dos anos 20 e 30. Após a Segunda Guerra Mundial, ela precisou fechar sua maison. Em 1988, a família Lummen reabriu a maison com a fabricação de acessórios Vionnet. Em 2006, apontada como uma nova criadora, a estilista Sophia Kokosalaki cria, depois de 67 anos, a coleção de primavera/verão 2007 para a marca. O estilo atemporal de Vionnet é influência até os dias de hoje, assim como sua contribuição técnica à alta-costura.